Projeto surpreende e constrange poder público

A iniciativa do alemão surpreendeu e constrangeu autoridades. A compra de casas chegou a ser definida pelo ex-prefeito Cesar Maia como "especulação imobiliária". Eduardo Paes, o atual prefeito, disse que acha a iniciativa interessante, mas não conhece o projeto. O presidente da Associação de Moradores, José Valdir Cavalcanti, disse que há 15 anos nenhuma obra é feita no Vidigal. O único projeto de Paes é estabelecer limites para conter o crescimento da favela. A Secretaria de Urbanismo embargou duas obras de Rolf por falta de documentos. Ele rebate dizendo que as transações foram homologadas pela associação de moradores e toda a documentação está sendo providenciada. Também pede um encontro com o prefeito. "As duas únicas coisas que gostaria são organização do trânsito e coleta diária de lixo." A Comlurb informou que tem sete caçambas de lixo no Vidigal e o caminhão sobe o morro três vezes por semana. A Guarda Municipal afirma que atua na Avenida Niemeyer, na frente do acesso ao morro, mas não entra por ser área de risco. A violência no Vidigal teve seu ápice em 2006, quando a disputa por bocas-de-fumo matou 15 pessoas. O empresário nega intromissão do tráfico. "Sei que existe, mas nunca tive contato direto e eles nunca me procuraram. O morador daqui é muito conservador, não gosta de drogas. Nem sequer bebo quando estou na favela para não afetar a credibilidade do projeto."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.