Promotor admite falta de prova contra viúva de milionário

Apesar de a polícia ter indiciado a ex-cabeleireira Adriana Almeida, de 29 anos, como participante do assassinato de seu ex-marido, o milionário da Mega Sena René Senna, o promotor de Justiça responsável pelo inquérito, Guilherme Macabu Semeghini, admitiu nesta quarta-feira, 31, ao Estado que "não possui elementos suficientes para oferecer eventual denúncia contra ela". Na terça-feira, o chefe de Polícia Civil, Gilberto Rodrigues, afirmou que era certa a participação de Adriana no crime, faltando esclarecer em que grau isto teria ocorrido.Macabu deixou claro que no inquérito ainda "não existem provas suficientes para que possamos identificar os executores do crime, mas apenas indícios da participação de algumas pessoas na empreitada criminosa". A polícia, a procuradoria e a juíza do município de Rio Bonito, Renata Gil de Alcântara, não revelam quem são as quatro pessoas suspeitas cujas prisões temporárias foram decretadas junto com a de Adriana, presa na terça-feira à tarde. Informações que circulam entre policiais do Rio falam de ex-seguranças do milionário - soldados PMs e do Corpo de Bombeiros - que teriam sido cooptados pela viúva suspeita de ser mandante do crime.ConexãoNesta quarta, a investigação do assassinato ocorrido no dia 7 de janeiro, no município de Rio Bonito - que tem cerca de 55 mil habitantes e fica a 74 quilômetros da capital - foi transferida da 119ªDP, naquela cidade, para a Delegacia de Homicídios na capital. A justificativa do delegado que presidia a investigação, Ademir Oliveira, foi os problemas de saúde que o levaram ao hospital na terça-feira e que lhe exigirão "uma batelada de exames". Mais do que o estado de saúde de Oliveira, a transferência da investigação foi provocada pela possível conexão do caso com o assassinato do PM David Vilhena Silva, de 35 anos, no dia 4 de setembro passado, na Estrada das Canárias, na Ilha do Governador, zona norte do Rio. Vilhena era segurança de René Senna, tendo sido chamado mais cedo do que de costume para render seus colegas em Rio Bonito, quando então sofreu uma emboscada, morrendo com dois tiros. Com esta transferência, as investigações pararam nesta quarta. Policiais da 119ª DP se consideravam alijados da história enquanto os da Delegacia de Homicídios diziam que ainda não tinham recebido o inquérito. Não se teve notícias de buscas dos demais suspeitos cujas prisões foram decretadas.Habeas-corpusJá a defesa de Adriana esteve na Vara Criminal de Rio Bonito atrás da decisão da juíza Renata Alcântara para poder impetrar habeas-corpus em favor da ex-cabeleireira. Como há quatro mandados de prisão não cumpridos, a juíza só entregou ao advogado Alexandre Dumans a parte relacionada à sua cliente. Ele vai recorre nesta quinta-feira, 1º ao Tribunal de Justiça. Adriana, que foi presa em um hotel cinco estrelas, no qual pagava diária de R$ 343, passou sua primeira noite na carceragem feminina da Polinter, no município de São Gonçalo, no Grande Rio, dormindo em um colchonete velho, ao lado de outras presas e se alimentando de sopa e pão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.