Promotor cogita possibilidade até de barrar mostras

O promotor Arthur Lemos, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), designado pelo Ministério Público para acompanhar as investigações da Polícia Civil, informou ontem que o MP pode determinar uma "atitude drástica, como a cessação de qualquer exposição no Masp", caso sejam constatadas graves irregularidades no museu. "O Gaeco ainda vai encaminhar à promotoria fatos e históricos quanto à deficiência na guarda dos quadros para eventual procuração ou até ação mais drástica."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.