Promotor pede internação de menor J. por homicídio e sequestro de Eliza

Solicitação foi encaminhada ao juiz titular da Vara da Infância e Juventude de Contagem, em Minas

Eduardo Kattah, de O Estado de S. Paulo

23 de julho de 2010 | 19h08

BELO HORIZONTE - O Ministério Público de Minas Gerais informou nesta sexta-feira, 23, que o promotor Leonardo Barreto Moreira Alves solicitou ao juiz titular da Vara da Infância e Juventude de Contagem (MG), Elias Charbil Abdou Obeid, a aplicação de medida de internação para o adolescente J., de 17 anos, pelos atos de homicídio e sequestro.

 

Veja também:

linkAgente penitenciário suspeito de filmar Bruno na cadeia é ouvido

linkJustiça recebe pedido de habeas corpus para mulher de Bruno

linkPolícia vai devolver cães de Bola, diz advogado

linkEm 24h, cinco pedidos de liberdade de Bruno

especialCronologia multimídia do caso

 

O promotor encaminhou ao magistrado suas alegações finais no processo que apura a participação do menor no desaparecimento de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes. Alves alegou que não encontrou provas suficientes nos autos da participação de J. no suposto crime de ocultação de cadáver.

 

O menor é considerado uma das principais testemunhas do inquérito policial que investiga o caso. A Polícia Civil mineira já solicitou à Justiça a autorização para uma acareação entre ele e outros investigados. O pedido do promotor pelo envolvimento de J. no suposto homicídio foi baseado no dolo eventual. O adolescente alegou que a intenção era dar um "grande susto" em Eliza.

 

"Mesmo que o menor não queira diretamente o resultado morte da vítima (dolo direto), acabou contribuindo para a ocorrência desse evento, no mínimo, aceitando o seu resultado, já que levou a vítima até o local da execução do crime, lá permanecendo, ainda que em cômodo ao lado, sem que, em nenhum momento, tenha se manifestado de forma contrária a esses graves atos ou sequer desistido do cometimento deles", escreveu Alves.

 

Conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a medida de internação deve ser aplicada pelo prazo mínimo de seis meses, até três anos.

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Bruno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.