Promotor que atropelou e matou 3 volta a trabalhar

O promotor de Justiça Wagner Grossi, acusado de dirigir bêbado e causar a morte de um casal e uma criança, voltou a desempenhar suas funções no Fórum de Araçatuba, a 430 quilômetros de São Paulo. A Assessoria de Imprensa da Procuradoria-Geral de Justiça de São Paulo informou que o corregedor-geral do MP de São Paulo, Antônio de Pádua Bertoni, enviou ao Conselho Superior do Ministério Público pedido de "remoção compulsória" de Grossi de Araçatuba. Grossi ficou afastado 120 dias por determinação da Procuradoria-Geral de Justiça, para que a Corregedoria Geral do MP concluísse sindicância que apura a conduta do promotor. Exames revelaram que ele estava embriagado na hora do acidente, em 7 de outubro. RIBEIRÃOOntem, laudo do IML confirmou que o estudante Caio Meneghetti, de 19 anos, estava embriagado quando atropelou o frentista Carlos Silva, de 37, na noite do dia 11. Segundo o delegado Luiz Geraldo Dias, ainda faltam exames que comprovem a ingestão de lança-perfume. Meneghetti deve depor na semana que vem.

Chico Siqueira, O Estadao de S.Paulo

23 de fevereiro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.