Promotor que atuava junto com juíza assassinada será transferido

Ele deixa o Tribunal do Júri de São Gonçalo e passará a atuar no Gaeco

Priscila Trindade, estadão.com.br

23 Agosto 2011 | 11h58

SÃO PAULO - O promotor Paulo Roberto Mello Cunha Júnior, que atuava junto com a juíza Patrícia Acioli, assassinada em Niterói, será transferido do Tribunal do Júri de São Gonçalo, na Região Metropolitana.

Veja também:

link91 policiais eram réus em ações que seriam julgadas por Patrícia Acioli

link'Eu deixei de acreditar na Justiça', diz filho de juíza morta no Rio

linkAliás: A ameaça do 'Estado leiloado'

 

Segundo o Ministério Público, ele passará a trabalhar no Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), a partir do dia 29. De acordo com o MP-RJ, o promotor foi convidado para atuar no Gaeco, que tem abrangência estadual.

 

Patrícia foi executada com 21 tiros em Niterói, na porta de casa. Ela já havia recebido ameaças de morte e estava sem proteção. Entre os processos sob responsabilidade da magistrada estavam acusações contra policiais, milícias e grupos de extermínio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.