Promotor suspeita de enterros clandestinos

O promotor Maurício Gomes de Souza pediu investigação sobre enterros clandestinos na região de Cocal da Estação. Segundo ele, nas comunidades isoladas os parentes estão enterrando corpos encontrados sem informar as autoridades. Souza suspeita que o número de mortes é bem superior às oito registradas. O delegado Eduardo Ferreira informou que se houver enterros clandestinos, os corpos serão exumados, identificados e periciados, e os familiares responsabilizados. "Tivemos informações de pessoas enterradas sem as formalidades, porque as comunidades estão isoladas e não têm como fazer isso. Não tem laudo pericial, não tem laudo médico. Estamos pedindo ao delegado que apure isso", explicou Souza. "Temos informações de pessoas que relatam a perda de entes queridos e outros que souberam por ouvir dizer, não viram e não têm contato. As estradas estão cortadas e não há acesso para manter esse contato pessoal. Desconfiamos que existem muito mais mortes do que estão falando."Ferreira confirmou que as comunidades estão isoladas e o acesso é por helicóptero. "A orientação é não mexer nos corpos encontrados e chamar a polícia judiciária e o perito para atestar o óbito e depois do corpo liberado a família faz a opção de enterro." A polícia enfrenta sérios problemas para conduzir a investigação, porque não há energia nem telefones funcionando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.