Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Promotora decide denunciar mãe adotiva de Pedrinho

A promotora da 15ª Promotoria Criminal do Distrito Federal, Ana Cláudia Magalhães Melo, decidiu nesta quinta-feira denunciar VilmaMartins Costa por seqüestro qualificado e registro falso.Ela tirou o bebê Pedrinho do Hospital Santa Lúcia em janeiro de 1986 e o registrou como seu filho legítimo com o nome de Osvaldo Borges Junior.Agora, os juízes da 8ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal devem decidir se abrem processo contra a mãe adotiva dePedrinho ou arquivam o caso.Ana Claudia entendeu que Pedrinho foi vítima de seqüestro qualificado até saber daexistência dos pais verdadeiros em Brasília, Jayro Tapajós e Maria Auxiliadora BraulePinto, há duas semanas.A pena máxima por este crime é de 5 anos, e para o de registro falso, 6 anos.A promotora anunciou sua decisão um dia após a Polícia Civil do Distrito Federal responsabilizar oficialmente Vilma pelo crime. A polícia encerrou o caso Pedrinho, depois de ouvir do irmão de Vilma, Sinfrônio Martins Costa, a revelação de que levou a irmã e um recém-nascido de Brasília para Goiânia.O presidente do inquérito, delegado Hertz Andrade, decidiu não denunciar Sinfrônio como cúmplice porque ele colaborou com a polícia.Vilma Martins teve ainda outra derrota. O juiz da 8ª Vara Criminal do TJDF, Cesar Loyola, negou o pedido de habeas corpus preventivo requerido pelo advogado de Vilma, Ezízio Barbosa.Ele indeferiu o pedido porque a prisão requerida de Vilma sequer foi pedida no inquérito da polícia.

Agencia Estado,

21 de novembro de 2002 | 21h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.