Promotora denuncia acusado de matar a menina Tainá

A promotora de Justiça Mildred Gonzalez Campi, do 5.º Tribunal do Júri, denunciou nesta segunda-feira Rodrigo Henrique Farrampa Guilherme, de 22 anos de idade, por homicídio qualificado pela morte da menina Tainá Alves de Mendonça, de 5 anos. E também por quatro homicídios qualificados contra o advogado Marcos Vassiliades Pereira, de 34 anos, baleado no peito, Fábio Valente de Mendonça Júnior, o menino Lucas, de 2 anos, respectivamente tio e irmão de Tainá, e Alexandre Certo, amigo de Fábio e de Marcos, e que estava em companhia deles.Os três últimos não foram feridos, o que configura o crime de "tentativa de morte branca". A promotora sustenta que Farrampa agiu com dolo eventual, porque assumiu o risco de matá-los ao disparar em direção deles. Os crimes estão qualificados pelo motivo fútil e uso de recurso que impossibilitou ou dificultou a defesa das vítimas. Estes crimes são considerados hediondos e a pena aplicada deve ser cumprida em regime inteiramente fechado. A promotora Mildrede Gonzalez Campi estima que Farrampa deve ser condenado 56 anos de prisão. Ele poderá ser beneficiado pelo fato de ser primário e de não registrar antecedentes criminais. Ela pede ainda a decretação da prisão preventiva de Farrampa, que está preso temporariamente desde que se apresentou à polícia no dia 23 de agosto. Para a promotora, a prisão preventiva é necessária para assegurar a ordem pública, bem como garantir a instrução do processo e a aplicação da lei penal. Os dois pedidos da promotora serão apreciados amanhã pelo juiz João Carlos Sá Moreiara de Oliveira, da 5.ª Vara do Júri, no Fórum de Pinheiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.