Promotora do caso Tim Lopes passa por seqüestro relâmpago

A promotora Viviane Tavares Henriques, que atuou no caso Tim Lopes, foi vítima de seqüestro relâmpago na noite de terça-feira, em Ititioca, bairro de Niterói, no Grande Rio. Ela permaneceu nove horas em poder dos criminosos e foi libertada depois que sua família pagou o resgate.Há dois meses, o desembargador Jorge Uchôa de Mendonça foi vítima do mesmo crime no bairro de Pendotiba, perto dali. A onda de seqüestros relâmpagos levou o promotor de Tutela Coletiva, Marcelo Buhatem, a decidir entrar com ação civil pública para obrigar o Estado a aumentar o efetivo do batalhão da cidade.Viviane trafegava pela Estrada Alarico de Souza em seu Renaul Scenic, quando foi abordada por cinco homens armados, por volta das 21 horas. Os criminosos usaram o próprio celular da promotora para ligar para a família dela e exigir resgate.Inicialmente, o grupo pediu R$ 40 mil. Mas aceitaram receber R$ 3 mil. Depois de pago o resgate, Viviane foi libertada às 4h50, no Largo da Batalha. Em casa, em Piratininga, na Região Oceânica, a promotora permaneceu sedada e sua família não deu entrevista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.