Promotores apelam para anular absolvição de Valentina

A promotora de justiça Rosana Cordovil promete ingressar, até amanhã, com a apelação contra decisão dos jurados que por 6 a 1 absolveram Valentina de Andrade da acusação de autoria intelectual do seqüestros, castrações e assassinatos de crianças em Altamira, no sudoeste do Pará. Rosana vai alegar que a sentença foi contrária à prova dos autos e que havia elementos suficientes no processo para condenar Valentina. O advogado Clodomir Araújo, defensor das famílias das vítima e que atuou no júri como assistente de acusação, deverá apresentar também uma apelação para tentar levar a acusada a novo julgamento, mas só fará isso no começo de janeiro. "Pretendo analisar bem o fundamento desse recurso", justificou Araújo. As duas apelações serão julgadas pelas Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça do Pará. Rosana disse que ficou "estupefata e decepcionada" com a sentença dos jurados e já decidiu abandonar sua participação no júri popular após o final do processo de Valentina. "Vou rasgar a minha beca e sepultar a Justiça em praça pública", prometeu. Valentina, que deixou um hotel de luxo onde ficou hospedada por algumas horas após sair da prisão com o alvará de soltura, teria viajado para Buenos Aires. Ela tem visto de entrada nos Estados Unidos, segundo a Polícia Federal, e poderá passar a residir naquele país. Pelas ruas de Belém o resultado do julgamento ainda está na boca do povo. "É um escárnio, uma vergonha, soltarem essa mulher", disse o bancário Hamilton Vaz. Para o feirante Ferdinando Costa da Luz, "o inferno continua em festa, mas Deus está triste" com a absolvição de Valentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.