Promotores ouvem acusados de matar família em Bragança

O Ministério Público do Estado de São Paulo em Bragança Paulista começa, na tarde da próxima terça-feira, o interrogatório do serralheiro Joabe Severino Ribeiro, 36 anos, e o eletricista Luis Fernando Pereira, 37 anos, acusados de queimar quatro pessoas vivas após assalto, em dezembro do ano passado. O crime chocou a cidade.Ribeiro e Pereira foram presos e confessaram ter assaltado a loja Sinhá Moça, onde duas das vítimas trabalhavam. Após levarem R$ 18,3 mil, seguiram com as quatro pessoas para uma estrada de terra, amarraram as vítimas e colocaram fogo no carro em que estavam presos a gerente Eliana Faria da Silva, 32 anos, seu marido, Leandro Donizete de Oliveira, 31 anos, o filho do casal, Vinícius Faria de Oliveira, 5 anos, e a gerente-caixa Luciana Michele de Oliveira Dorta, 27 anos. Eliana e Leandro morreram no local. Luciana conseguiu se soltar e salvar Vinícius. O menino tinha 90% do corpo queimado. Luciana, 70%. O menino morreu no Hospital da Universidade São Francisco, um dia depois, e Luciana morreu na Santa Casa de Limeira. Ela chegou a passar por uma cirurgia, mas não resistiu. As promotoras Ana Maria Buoso Piovesana, Fabíola Sucasas e Kelly Cristina Álvares Fedel, de Bragança Paulista, acusaram os dois suspeitos por roubo triplamente agravado (emprego de arma de fogo, meio cruel e morte de vítimas) e quatro latrocínios (roubo seguido de morte).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.