Promotoria apura denúncias de maus-tratos na Febem

A Promotoria da Infância e Adolescência constatou lesões corporais em 68 dos 111 internos da unidade 27 da Fundação do Bem-Estar do Menor (Febem), na Raposo Tavares, zona oeste de São Paulo.Denúncia encaminhada por parentes dos adolescentes, por meio da Comissão de Direitos Humanos da Seção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), acusa funcionários de espancar no sábado os internos com bastões, pedaços de pau e de ferro e usar spray de gás pimenta contra os garotos.Eles estariam se vingando pelo fato de um funcionário ter sido afastado do trabalho, por causa de uma denúncia de maus-tratos de um dos internos.Os promotores estão ouvindo as vítimas e as famílias. Eles fizeram a visita acompanhados de peritos do Instituto Médico-Legal (IML). Denúncias anteriores levaram o Ministério Público Estadual (MPE) a denunciar os funcionários com base na lei de tortura, porque os menores sofreram castigo cruel.A Febem informou que 21 adolescentes e 6 funcionários acabaram feridos. Segundo a Assessoria de Imprensa da fundação, os servidores perceberam uma movimentação entre os internos por volta das 2 horas e decidiram revistar os quartos, tendo enfrentado resistência em dois cômodos.A Febem abriu sindicância e informou que, se ficar provado abuso, os funcionários serão punidos. Segundo o MPE, os adolescentes dizem que foram acordados à noite e espancados. Um grupo de 30 ainda teria sido separado e levado para outra sala, onde o espancamento prosseguiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.