Promotoria pede instauração de inquérito sobre falso coronel no Rio

Será investigada a participação de Carlos da Cruz Sampaio Junior em blitz, que resultou na morte de um assaltante

Solange Spigliatti, estadão.com.br

25 Outubro 2010 | 17h11

SÃO PAULO - O promotor da 30ª Promotoria de Investigação Penal da 1ª Central de Inquéritos do Rio, Sauvei Lai, requisitou a instauração de inquérito sobre participação de falso militar em uma blitz, em agosto, que resultou na morte de um assaltante.

 

O pedido foi feito à 37ª DP (Ilha do Governador) para que seja aberta a instauração de inquérito policial para apurar a participação do falso tenente-coronel Carlos da Cruz Sampaio Junior. O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) determinou o indiciamento de Cruz pelos crimes de falsa identidade e porte ilegal de arma de fogo.

 

O promotor também dá o prazo de 90 dias para o cumprimento de uma série de diligências. Ele requer também que a delegacia realize a oitiva de todos os Policiais Militares que participaram da blitz. O objetivo é apurar as circunstâncias de tempo, lugar e modo de execução dos dois crimes imputados ao falso PM e outras infrações eventualmente cometidas naquela ocasião.

 

Sauvei Lai pede ainda a identificação da arma de fogo de cano longo usada pelo investigado, que aparece em uma foto publicada pelo jornal Extra. O armamento deve ser apreendido e periciado. Uma perícia também deve ser realizada nos documentos adulterados portados pelo falso Coronel.

Mais conteúdo sobre:
Rio coronel falso inquérito militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.