Propaganda de Lula teria editado vídeo da ONU

O trecho da propaganda eleitoral divulgado na quinta-feira, 21, pela coligação do PT, teria sido uma montagem, segundo acusa o blog do prefeito do Rio de Janeiro, César Maia (PFL) e o site www.claudiohumberto.com.br. A propaganda de Lula mostrou o discurso do presidente na Assembléia da ONU, na terça-feira, 19, seguido de aplausos. Porém, segundo Maia, nem Celso Amorim teria se levantado para aplaudir Lula. Na verdade, foram feitas edições e montagens, sendo que os aplausos dos 192 delegados presentes no encontro, eram para o secretário geral das Nações Unidas, Kofi Annan.Em e-mail encaminhado para os assinantes do blog, Maia oferece o link para os vídeos da ONU e da propaganda de Lula. Confira ao lado os links da propaganda de Lula e do vídeo da Assembléia.O comitê da campanha à reeleição não se pronunciado sobre as acusações e afirmou que a responsabilidade pelo vídeo era da TV Mais, produtora locada em Brasília. A reportagem do Portal Estadão entrou em contato com a produtora. Porém, no início da tarde não havia nenhum responsável no local.Durante a tarde, vários contatos foram feitos e a atendente da produtora informou que o responsável pelo vídeo estava em gravação, não podendo atender ao telefone. O número do celular do responsável foi requisitado, porém a mesma atendente afirmou que não estava autorizada a passar o número do telefone móvel. Por volta das 16h30, outro contato foi feito e o produtor estava em reunião, não podendo, mais uma vez, atender ao telefone.Punição do TSEDe acordo com o artigo 15 da resolução 22.261 do Código Eleitoral do Tribunal Superior Eleitoral, está proibida a veiculação, em rádio e televisão, de propaganda que utilize "trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo". Por trucagem, "entende-se todo e qualquer efeito realizado em áudio ou vídeo que possa degradar ou ridicularizar candidato, partido político ou coligação, ou que desvirtue a realidade e beneficie ou prejudique qualquer candidato, partido político ou coligação", segundo o TSE.Assim, caso fique provado que a propaganda veiculou um vídeo editado beneficiando o candidato à reeleição, o PT poderá ser multado em um valor que vai de R$ 21.282,00 a R$ 106.410,00; ou ainda perder tempo equivalente ao dobro do usado durante o vídeo.Esta matéria foi atualizada às 17h48 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.