Propaganda troca outdoors por jeans e guardanapos

Mídia indoor cresceu 40% desde a adoção da Lei Cidade Limpa; 80% do segmento tem sede em SP

Edison Veiga E Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

24 Agosto 2008 | 00h00

São Paulo venceu as placas publicitárias. Mesmo assim, o publicitário Cristiano Tassinari Alves tem motivos de sobra para comemorar. Ele preside o conselho da Associação Brasileira de Mídia Indoor (Abramid) e enche a boca para divulgar que, após a Lei Cidade Limpa, o setor cresceu 40% em um ano. Só em 2007, o segmento indoor abocanhou 4% dos R$ 26 bilhões do mercado publicitário nacional. Na capital paulista estão instaladas mais de 100 empresas do ramo - 80% do total brasileiro. E, se depender das previsões, todas podem preparar o champanhe. "Até 2010, esperamos ficar com 10% do bolo publicitário do País", diz Alves.De acordo com a Abramid, a rígida legislação provocou uma mudança no mercado. Metade das empresas de mídia exterior da cidade passou a desenvolver ações indoor. E o paulistano já percebeu - shoppings, aeroportos, bares, baladas, padarias e até farmácias foram tomadas por propagandas. "A principal diferença é que, enquanto o outdoor é muito massivo, o indoor é segmentado, seletivo", diz a pesquisadora Ana Lucia Fugulin, professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Para ela, isso permite uma menor dispersão de verbas publicitárias - uma vez que essas são canalizadas para um público dirigido. "O anunciante precisa conhecer melhor seus produtos e o público-alvo", afirma.Quem não se adaptou fechou. "As empresas de outdoor que operavam somente na capital paulista deixaram de funcionar", diz o presidente do Sindicato das Empresas de Publicidade Exterior (Sepex), o publicitário Luiz Fernando Rodovalho. "Trinta pararam, incluindo a minha."Mesmo que a Lei Cidade Limpa continue sendo seguida à risca após 1 ano e 8 meses de instalação, o dia-a-dia do paulistano continua sendo movido por marcas, mensagens e anúncios. Penduradas nas calças da TNG em vitrines de shoppings, há propagandas do cartão de crédito do Bradesco. Enquanto isso, dentro da academia, próximo da raia da piscina, o canal a cabo Telecine anuncia a reexibição do famigerado Duro de Matar. Já no descolado bar Salve Jorge, na Vila Madalena, o guardanapo divulga a água de coco em caixinha e faz até alerta sobre a lei seca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.