Proposta surgiu pela primeira vez em 2004

Em 2004, durante o primeiro governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) tentou aprovar a criação de um Conselho Nacional de Jornalismo, uma espécie de órgão regulador para o setor. O objetivo seria o de "orientar, disciplinar e fiscalizar" o trabalho dos jornalistas. O argumento da Fenaj era que o conselho fiscalizaria a profissão, evitando desvios éticos. A proposta foi rechaçada sob o argumento de que seria uma forma de o Estado controlar os meios de comunicação. O assunto foi retomado em dezembro passado, durante a 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), que ressuscitou a proposta de criação de um conselho, desta vez com viés menos político. Foi retirada, por exemplo, a parte que atribuía ao conselho a função de órgão fiscalizador e regulamentador do jornalismo. A nova proposta é de que o conselho seja o fiscalizador do trabalho do jornalista. O vice-presidente da Fenaj, Celso Schröder, comparou o conselho ao Conselho Federal de Medicina, "que é corporativo, mas também serve à sociedade e pune os maus médicos". Por outro lado, a Associação Nacional dos Jornais afirma que a proposta "é uma tentativa de retornar com algo que já foi refutado pela sociedade brasileira".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.