Prorrogada prisão dos acusados de traficar órgãos

A Justiça federal prorrogou as prisões temporárias das dez pessoas presas pela Polícia Federal, na terça-feira, acusadas de participação na rede internacional de tráfico de órgãos humanos. O prazo da prisão temporária decretada pela juíza federal Amanda Torres de Lucena expirava ontem à meia-noite. A informação, extra-oficial, foi dada hoje à tarde, pelo advogado de quatro dos acusados, Émerson Leônidas. Nem a Justiça Federal nem a Polícia Federal confirmaram a informação porque decidiram não mais falar sobre o caso, que corre em segredo de justiça. O superintendente regional da PF, Wilson Damázio, justificou que o noticiário que vem sendo veiculado pela imprensa atrapalha as investigações e ele só irá se pronunciar sobre o assunto quando o inquérito for concluído. Leônidas defende os dois israelenses, a advogada Terezinha Medeiros e a corretora Fernanda Calado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.