Protesto contra 100 dias de Marta reúne 200 pessoas

Cerca de 200 pessoas participaram nesta terça-feira de manifestação contra os primeiros cem dias da gestão da prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT). O ato, promovido pelo diretório municipal do PSDB, foi realizado na Praça Ramos de Azevedo, no centro da cidade. O carro de som virou uma tribuna livre para quem quisesse fazer críticas à administração petista. Nas calçadas, foi realizada a Exposição Belezura, com a exibição de diversas fotos de lixo, mato e buracos.Também havia recortes de jornais com notícias denunciando irregularidades na gestão. O ponto alto da manifestação foi "a via-sacra do povo". Treze estações foram encenadas na escadaria do Teatro Municipal. Cada uma delas era representada por um boneco de pano sem cabeça. Eles tinham os seguintes nomes: Mexendo no Lixo; Amigos da Rainha; À Francesa; CPI Só Nos Adversários; Renda Máxima Para a Elite do PT; Olha o Rapa; Perueiros; Gestão Factóide; Mato, Mato, Mato; Paisagem Lunar; Só Promessas na Saúde; Sem Concorrência e Começar de Novo. Participaram do ato a bancada do PSDB na Câmara e alguns deputados estaduais, entre eles Vanderlei Macris.O tucano João Câmara, presidente do diretório municipal do partido, reconheceu que cem dias são insuficientes para resolver os problemas da cidade. "Mas foram suficientes para demonstrar a incoerência da prefeita e do PT", disse."A dona Marta contratou sem concorrência empresa de lixo pelos mesmos preços pagos por Celso Pitta, que, segundo o PT, antes das eleições, eram superfaturados em 25%."Além disso, ele critica o aumento salarial de 40% concedido à cúpula do governo municipal. "O PSDB exerceu seu direito de democracia, pois nós também fizemos várias manifestações contra o governo do Estado, denunciando irregularidades no CDHU, por exemplo. E faremos outras. Eles devem mais que nós", disse o vereador Devanir Ribeiro (PT).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.