Protesto contra a guerra reúne 500 em São Paulo

Uma encenação contra a guerra foi organizada neste sábado por cerca de 500 manifestantes de diversos grupos, segundo a Polícia Militar, na avenida Paulista, no centro de São Paulo. Divididos em dois grupos, os manifestantes simularam um confronto que acabou com a destruição de bonecos representando o presidente dos Estados Unidos, Geoge W. Bush, e o terrorista Osama bin Laden.Estudantes secundaristas, universitários, anarquistas, socialistas, punks e pacifistas reuniram-se em frente ao prédio da Caixa Econômica Federal. Após duas horas, eles iniciaram uma marcha até o Conjunto Nacional. Bandeiras do Brasil, do Afeganistão e de Israel pediam a paz entre os povos. Dentre os grupos que organizaram o protesto estavam a Ação Global dos Povos (AGP) e alguns diretórios acadêmicos da Universidade de São Paulo (USP).Eles haviam organizado um protesto contra a reunião do FMI em Washington, que foi cancelada devido ao atentado terrorista aos Estados Unidos. Por isso as faixas dos manifestantes pediam mais do que a paz. Elas estampavam frases anti-capitalistas, contra a hegemonia norte-americana e a exclusão social.O trânsito na Avenida Paulista ficou lento, pois os manifestantes liberaram apenas uma das faixas. Não houve violência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.