Protesto contra a violência fecha terminal em Campinas

O Terminal Ouro Verde, na periferia de Campinas, ficou fechado por 15 minutos no início da manhã desta segunda-feira, 17, por causa de um protesto realizado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários Anexos de Campinas e região. Os motoristas e cobradores reclamaram da falta de segurança. Desde a última quarta-feira, quando os ataques atribuídos à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) tiveram início, 17 ônibus foram incendiados na cidade. Os cerca de 60 usuários que estavam no terminal pela manhã não concordaram com a paralisação. A Polícia Militar (PM) foi chamada para controlar a situação. Houve pequenos atrasos na saída dos veículos, mas pouco tempo depois o movimento voltou ao normal."O que os funcionários têm mais tem medo é que um ataque pode acontecer com qualquer um, a qualquer momento", afirmou o secretário geral do Sindicato, Izael Soares de Almeida. Ainda nesta semana, outra paralisação de protesto deve acontecer, de acordo com o sindicalista.BombaUma bomba de fabricação caseira explodiu na noite deste domingo em frente à casa de um aposentado no distrito de Sousas, em Campinas. Não houve feridos. Junto com o artefato, homens da guarda municipal encontraram uma faixa onde estava escrito: "Chega de opressão no sistema carcerário". O delegado Cláudio Alvarenga, do 4º Distrito Policial (DP), disse não saber se o ocorrido tem relação com os últimos atentados atribuídos à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). "Não dá para saber se tem ligação ou se são ações de aproveitadores", declarou. "Seria um caso mais preocupante se o alvo tivesse sido a casa de um policial", completou. O caso será apurado pelo 12º DP, em Sousas.Ainda segundo Alvarenga, a bomba foi feita a partir de uma lanterna de carro e parafusos. "Houve mais barulho do que estrago", disse. Pequenas marcas ficaram na parede e no portão da casa. A explosão foi percebida pela base da Guarda Municipal localizada no distrito. Restos da bomba caseira ficaram com a Polícia Civil para investigação. Na última quinta-feira, um documento foi protocolado no Comando da Polícia Militar pelo sindicato com pedido urgente de designação de policiamento ostensivo junto aos ônibus, terminais e pontos de baldeação, além de escolta policial e colocação de policiais à paisana e armados dentro dos veículos. A PM informou que analisa o documento, mas que já há reforço do policiamento nos terminais e garagens.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.