Protesto contra agressão fecha avenida em São Paulo

O espancamento da funcionária da limpeza Marlene Conti por bandidos que nesta quarta-feira invadiram o condomínio Engenheiro Armando de Arruda Pereira, na avenida de mesmo nome, na zona sul de São Paulo, foi considerado a gota d?água pelos moradores do local.Revoltados, eles fecharam a avenida para protestar contra a Prefeitura, que, no fim do ano passado, removeu parte das grades que cercavam o conjunto para permitir o acesso do público a outra rua da região.Os condôminos alegam que, desde então, os 29 prédios ficaram expostos a vândalos e marginais, que chegaram a roubaram carros e motocicletas das garagens. Já a Prefeitura afirma que agiu por determinação do Ministério Público. "Fomos intimados a tomar providências. O condomínio apropriou-se de parte do espaço público e isso é ilegal", disse a subprefeita do Jabaquara, Sônia Foianesi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.