Protesto contra violência no Rio reproduz cadáver em carrinho

Foto de vítima da guerra do tráfico inspira manifestação na Praia de Cobacabana; 45 pessoas já morreram

Alfredo Junqueira, da Agência Estado,

24 de outubro de 2009 | 10h56

 

RIO - O movimento Rio de Paz realiza na manhã deste sábado, 24, na Praia de Copacabana (zona sul), protesto contra a violência que tomou conta de vários pontos do Rio desde sexta-feira, 16, quando traficantes de quadrilhas rivais iniciaram uma guerra para tomar o controle de pontos de venda de droga no Morro dos Macacos, em Vila Isabel (zona norte).

 

Veja Também

mais imagens Notícias de uma guerra não tão particular

link Rio transfere dez traficantes para presídio federal

link Quem são os presos transferidos

link Ao completar uma semana, violência no Rio faz 45 mortos

link 'Eu estava em pânico', diz piloto

 

Os manifestantes, vestidos de preto, empurram outros integrantes do movimento que estão dentro de vinte carrinhos de supermercados. A cena representa o episódio em que uma pessoa morta na guerra do tráfico foi abandonada dentro de um carrinho de compras em um dos acessos do Morro dos Macacos, no início da semana.

 

"Estamos reproduzindo esta cena porque foi a mais emblemática da semana: aquele corpo dentro de um carrinho de supermercado e perante pessoas indiferentes, que não conseguem mais chorar por esse tipo de tragédia", disse o coordenador-executivo do movimento Rio de Paz, Antônio Carlos Costa. "Isso em outras nações representaria milhões de pessoas protestando na rua e o poder público vindo se justificar, mas aqui no máximo o que provoca é catarse."

 

Os vinte carrinhos representam as 20 mil mortes violentas ocorridas no Estado do Rio entre janeiro de 2007 e setembro de 2009. Os organizadores somaram dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) relativos a latrocínio, homicídio doloso, autos de resistência e policiais mortos. Na frente do cortejo, vai um carrinho com a bandeira do Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaRioprotestoCopacabana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.