Protesto de servidores federais fecha avenida no Rio de Janeiro

Em greve desde 18 de junho , funcionários públicos pedem novos concursos e reajuste salarial; cerca de 600 pessoas participaram do ato segundo a PM

O Estado de S. Paulo

09 Agosto 2012 | 12h30

Atualizada às 13h20

SÃO PAULO - Uma manifestação de entidades que representam os servidores públicos federais fechou diversas vezes a Avenida Rio Branco, no centro do Rio de Janeiro, entre o final da manhã e o começo da tarde desta quinta-feira, 9. Reivindicando novos concursos, reajuste salarial e melhores condições de trabalho, os participantes do ato partiram da Candelária às 11h e chegaram às 13h na Cinelândia, onde se reuniram em frente à Câmara Municipal. De acordo com a CET-Rio, a avenida foi liberada em seguida.

Cerca de 600 pessoas acompanharam a passeata, segundo a Polícia Militar - 5 mil de acordo com sindicalistas. Uma equipe de 80 operadores da CET precisou orientar o trânsito  por conta das interdições, com o apoio de guardas municipais.

A manifestação ocorre no contexto da greve dos servidores federais de todo o País, iniciada no dia 18 de junho. De acordo Jorge Coutinho, um dos diretores do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado do Rio de Janeiro (Sintrasef), 33 entidades de classe e três centrais sindicais  participaram do ato. Ele faz parte  do Dia Nacional de Luta, que prevê manifestações semelhantes em outros estados.

Segundo Coutinho, o motivo da manifestação é a falta de diálogo sobre de resposta do governo a respeito das demandas. "O governo está sendo totalmente intransigente. Se continuar esse sucateamento, em menos de cinco anos não teremos servidores públicos para atender a população".

Sindicatos de todo o País farão na semana que vem um acampamento na Esplanada dos Ministérios, no Distrito Federal,  como forma de pressionar o Executivo. Às 15h desta quinta-feira, o Sintrasef se reúne em assembleia para escolher cerca de 40 delegados que levarão as propostas do sindicato à Brasília.

Segundo a Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal, que representa 80% do funcionalismo, cerca de 350 mil servidores de 26 categorias aderiram à greve até a quarta-feira. Para Coutinho, a adesão já chega a 33 categorias, e beira 500 mil servidores do legislativo, judiciário e executivo.

Nesta semana, Policiais Federais aderiram a greve, prejudicando o movimento em aeroportos, estradas e região de fronteira. Policiais Rodoviários Federais também realizam protestos parando estradas, mas decidirão na semana que vem se cruzam os braços.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.