Jamil Chade/Estadão
Jamil Chade/Estadão

Protesto diante da ONU pede respostas à morte de Marielle

Em português, inglês e francês, manifestantes se alternaram para ler a declaração que cerca de cem entidades fizeram durante o Conselho de Direitos Humanos da ONU

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2018 | 15h39

GENEBRA - Cerca de 150 pessoas se reuniram nesta sexta-feira, 23, diante da sede da ONU em Genebra para pedir respostas diante do assassinato de Marielle Franco, vereadora carioca do PSOL.

+ PSOL entra com ação contra desembargadora que acusou Marielle de ligação com bandidos

Com cartazes denunciando a violência no Brasil, grupos brasileiros e estrangeiros exigiam a realização de investigações independentes sobre o caso e que os responsáveis sejam levados à Justiça. Em português, inglês e francês, oradores se alternaram para ler a declaração que cerca de cem entidades fizeram durante o Conselho de Direitos Humanos da ONU, na última terça-feira. 

+ Ato na Paulista homenageia Marielle e critica intervenção no Rio

Mariana Tavares, estudante brasileira que organizou o evento, ainda contou com a colaboração de sindicatos suíços. “Muitos que falam a verdade ao poder no Brasil sofrem violência e estigmatização sem precedentes“, afirmou. 

A pressão sobre o governo brasileiro, porém, deve se intensificar nos próximos dias. Relatores da ONU querem respostas oficiais por parte de Brasilia e, na próxima semana, podem emitir novos comunicados denunciando o País. 

Para 2018, porém, o governo brasileiro não irá receber relatores de direitos humanos da entidade. Dois deles - Michel Forst e Phillip Alston - receberam indicações que apenas serão recebidos no Brasil em 2019, depois das eleições presidenciais. Um terceiro teve sua visita cancelada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.