Protesto marca enterro de delegado

Um protesto de policiais marcou nesta segunda-feira pela manhã o enterro do delegado Oscar de MatosNeto, de 47 anos, no Cemitério São Pedro, na Vila Alpina, na zona leste de São Paulo. Neto, que trabalhava no Departamento de Investigações Sobre Crimes Patrimoniais (Depatri), foi baleado com tiros de fuzil AR-15 no dia 31 de janeiro e morreu neste domingo.Atacados pelas costas Na ocasião, Neto, acompanhado de uma equipe de investigadores, tentava prender uma quadrilha especializada em roubo de cargas. Na hora da emboscada, os policiais estavam atrás de um grupo que havia acabado de assaltar uma transportadora em Guarulhos, na Grande São Paulo. Um dos caminhões roubados pelo bando foi localizado na frente do Shopping Center Internacional, em Guarulhos, com dois ladrões. O delegado e três investigadores aproximaram-se com a Blazer da Polícia Civil na intenção de prender os bandidos, mas foram supreendidos pelas costas por outros criminosos fortemente armados, que faziam a escolta dos parceiros que estavam no caminhão roubado. Esses assaltantes estavam divididos em quatro carros. Durante a ação, um criminoso foi baleado e três deles acabaram presos. Quatro policiais - o delegado e três investigadores - ficaram feridos com tiros de AR-15. Desde o tiroteio, Neto estava internado no Hospital Carlos Chagas, em Guarulhos, onde morreu.Na manhã desta segunda-feira, cerca de 50 carros da Polícia Civil de São Paulo seguiu o cortejo fúnebre do delegado até o cemitério São Pedro. Os policiais buzinaram durante todo o caminho, como forma de protestar pela morte do colega. Houve lentidão pelos pontos onde a carreata passou. Às 13 horas, o corpo do delegado foi cremado.

Agencia Estado,

05 de fevereiro de 2001 | 22h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.