Protesto pode custar mais de R$ 107 mil a São Paulo

A manifestação de moradores nesta segunda-feira à tarde na Marginal do Tietê pode ter custado mais de R$ 107 mil ao Município. De acordo com cálculo da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para chegar ao custo social dos congestionamentos, um quilômetro de engarrafamento que dure uma hora custa à cidade US$ 1,500.00. O protesto de moradores durou cerca de três horas e provocou congestionamento de 12 quilômetros. A metodologia para o cálculo foi desenvolvida e é usada pelo Banco Mundial para seus estudos. Em São Paulo, o Ministério Público Estadual (MPE) utiliza-a para estipular os valores das ações que move contra pessoas ou instituições que promovem manifestações que atrapalhem o trânsito e não tenham sido comunicadas à CET com antecedência. "A Constituição determina que todas as manifestações podem ser realizadas desde que a autoridade competente seja avisada", disse o promotor de Justiça da Cidadania Silvio Antônio Marques. Na capital, a CET deve ser comunicada com pelo menos cinco dias de antecedência. Nos casos em que isso não ocorre, a companhia tem fotografado e filmado as manifestações que atrapalham o tráfego. Esses documentos são entregues ao MPE, que tenta identificar os responsáveis pelos transtornos.

Agencia Estado,

12 de fevereiro de 2001 | 21h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.