Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

Protesto por tarifa causa estragos em Niterói

Mesmo após a Prefeitura anunciar a redução do preço da passagem, manifestantes prosseguiram ato; houve conflito com policiais e destruição de lojas e pontos de ônibus

atualizada às 9h12, Sergio Torres - O Estado de S. Paulo

20 de junho de 2013 | 08h26

Rio - Separado do Rio pela Baía de Guanabara, o centro de Niterói amanheceu nesta quinta-feira, 20, tomado por destroços deixados pelo grande tumulto que se formou na noite dessa quarta, 19, durante a manifestação contra o aumento do preço das passagens de ônibus. Principal via da região, a avenida Amaral Peixoto teve bancos e lojas atacados e destruídos, além de pontos de ônibus danificados.

A manifestação conseguiu interromper o tráfego na ponte Rio-Niterói, medida de segurança adotada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). O protesto seguiu na cidade mesmo após a Prefeitura de Niterói anunciar a redução da tarifa do ônibus de R$ 2,95 para R$ 2,75.

Parte dos manifestantes chegaram a 500 metros do acesso principal à ponte, pela avenida Jansen de Mello. Impedidos pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar (PM) de aproximarem-se da praça do pedágio, os manifestantes apedrejaram a tropa, que respondeu com bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral. Barricadas de fogo se formaram em trechos movimentados do centro niteroiense.

Os manifestantes não aceitaram a interdição do acesso à ponte e retornaram à praça Arariboia, ponto de partida do protesto. Em frente à estação das barcas de passageiros entre Niterói e Rio, a praça é tradicional ponto de protestos da cidade. A estação foi invadida pelos manifestantes. O transporte marítimo pela baía permaneceu interrompido das 21h às 21h30. A quantidade de presos e feridos ainda não divulgada.

Nesta manhã, em entrevista à Rede Globo, o prefeito Rodrigo Neves (PT) creditou os episódios violentos da véspera a um "pequeno grupo de vândalos". "A ação dos vândalos denigre a democracia", afirmou. No início do ato, participavam cerca de 7.500 pessoas, segundo estimativas da Polícia Militar.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosniterói

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.