Protesto tímido contra a violência na Rocinha

Com balões de gás brancos simbolizando um pedido de paz, cerca de 200 moradores da Rocinha fizeram um tímido protesto contra a violência policial hoje de manhã, na entrada da favela, em São Conrado, zona sul do Rio. Eles pretendem ir até Brasília e procurar o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, para que ele intervenha para proteger a comunidade de abusos da PM.O presidente da União Pró-Melhoramentos dos Moradores da Rocinha, William de Oliveira, disse que havia programado um atogrande, em repúdio aos recentes tiroteios ? segundo ele, promovidos pela PM ?, mas perdeu adesões por conta da intensa troca de tiros da noite de domingo, que resultou na morte de uma moradora e provocou ferimentos em outras quatro pessoas. ?A polícia invadiu a favela para esvaziar a manifestação, que já estava agendada?, acredita Oliveira. ?Foi o pior tiroteio dos últimos anos. A impressão é que os PMs atiraram até acabar a munição.? O protesto tinha como mote o assassinato do garoto Luiz Eduardo Caldeira, de 16 anos, baleado no dia 14 de janeiro enquanto soltava pipa numa laje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.