Protestos da CUT impedem acesso a aeroportos

A Central Única dos Trabalhadores de São Paulo (CUT-SP) divulgou no final desta tarde um primeiro balanço da série de protestos realizados hoje contra a flexibilização da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A central sindical avaliou que as ações realizadas nas cidades de Guarulhos, Osasco, Campinas e no Grande ABC foram bem-sucedidas até o momento. Em Guarulhos, os sindicalistas paralisaram a Rodovia Hélio Smith, principal via de acesso ao Aeroporto Internacional de Cumbica, o mais movimentado do País.Com isso, milhares de pessoas ficaram presas no congestionamento no trânsito, impedidas de tomar seus respectivos vôos. Segundo a Infraero, parte das empresas, como a TAM, optaram por atrasar a decolagem de suas aeronaves em pelo menos 15 minutos. De acordo com a assessoria de imprensa da CUT-SP, as manifestações em Campinas provocaram a paralisação da Rodovia Santos Dummont, também a principal via de acesso ao Aeroporto de Viracopos. O bloqueio da rodovia foi iniciado às 5h e permanecia até as 10h.Em Campinas, os protestos da CUT interromperam ainda, das 5h às 9h, as produções nas indústrias Singer, Dako e CCE, entre outras instaladas na região. A mobilização no Grande ABC teve início às 5h30, com uma manifestação em frente à fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo. Os trabalhadores interromperam a produção por um período de uma hora.Simultaneamente, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC executou assembléias nas portas das fábricas da Mercedes Benz, Toyota, Scania e Ford. Ficou definido ainda que as fábricas da Toyota e da Ford terão suas atividades interrompidas às 14h, para que seus funcionários possam se deslocar ao ato único programado pela CUT na Avenida Paulista, às 16h, no vão livre do Masp. Os metalúrgicos realizam um ato público no Jardim Silvina, no centro comercial de São Bernardo do Campo.Em São Paulo, o movimento da central sindical contou ainda com a adesão dos funcionários dos Correios, que interromperam as atividades da agência central, no Centro, no horário de abertura. Segundo a CUT-SP, o atendimento já está normalizado. Cerca de 100 estudantes da Universidade de São Paulo (USP) realizam desde esta manhã uma manifestação na região da universidade, também em apoio ao protesto da CUT. A CET informou que a passeata promovida por estes estudantes, com destino à Avenida Paulista, prejudica o trânsito nas avenidas Alvarenga e Vital Brasil, na zona oeste.Os congestionamentos prejudicam também o acesso às marginas do Tietê e Pinheiros. Os protestos promovidos pela CUT também chegaram até a Baixada Santista. Em Cubatão, os petroleiros paralisaram por uma hora a produção da Refinaria de Cubatão. O movimento contou, inclusive, com a participação dos funcionários terceirizados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.