Próximo governo terá de tomar medidas "duras e difíceis", diz FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse na última sexta-feira em Leiria, Portugal, que o próximo governo do Brasil tem de tomar medidas "duras e difíceis" para retomar o crescimento econômico.Diante de 150 pessoas, em um jantar-conferência, Fernando Henrique Cardoso disse que "o Brasil tem de retomar taxas de crescimento mais elevadas" para manter os atuais índices de responsabilidade social."Com democracia não é possível deixar de haver acesso à educação, à saúde, que hoje tem atendimento geral, e de manter os programas sociais que comecei e foram evoluídos pelo presidente Lula", sustentou, numa palestra seguida atentamente pelo anfitrião, o ex-presidente de Portugal Mário Soares.Bem-estar social"Passamos de um Estado de mal-estar social para um Estado de bem-estar social e sem um crescimento mais sustentado não vai ser possível mantê-lo", disse o ex-presidente, lembrando que o Brasil conta com "um déficit muito grande na Previdência, de 25 bilhões de dólares por ano, e que o governo tem compromissos sociais crescentes".Fernando Henrique Cardoso considera que para se atingir o objetivo, "o governo vai ter de tomar certas medidas difíceis" e que, para isso, "é necessário um Congresso que respeite a orientação do presidente".Deixando a sua natural preferência eleitoral, o ex-presidente brasileiro considera que "dadas as condições políticas mais recentes, que provocaram uma certa descrença na capacidade do governo atual em tomar decisões políticas, ainda que ele [Lula] venha ser reeleito, essas dificuldades não vão diminuir".Em sua palestra, Fernando Henrique Cardoso disse ainda que existem condições de base, de forma a permitir elevar os níveis de crescimento da economia brasileira. "Nos anos 70, o Brasil crescia em média 7% ao ano, nos anos 80 passou para 1,2%, e de lá para cá é de 2,6%", disse."Existe uma democracia, que tem defeitos e virtudes, mas está consolidada e o Brasil tem muita energia, tem condições, mas para voar precisa chegar a certos consensos", acrescentou, lembrando que outros países com mais dificuldades, como o Chile, estão conseguindo alcançar esses entendimentos internos."O Brasil tem uma base industrial muito forte, que melhorou muito nos últimos 20 anos", disse, afirmando que "55% das exportações são manufaturas"."Atualmente, exportamos cerca de 150 bilhões de dólares por ano" disse, acrescentando que o Brasil tem ainda "uma agricultura competitiva e que também avançou muito no setor terciário".Com relação à falta de segurança na sociedade, um dos temas levantados pelo público, o ex-presidente brasileiro considera que "falta mais Estado para assegurar a liberdade e para garantir a segurança das pessoas".

Agencia Estado,

14 de outubro de 2006 | 20h36

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.