PSB libera apoio a tucanos em Minas, Alagoas e Paraná

Apesar de alianças regionais, 'a campanha para presidente é para Dilma', afirma [br]Eduardo Campos

Eugênia Lopes de Brasília, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2010 | 00h00

Depois de preterir a candidatura do deputado Ciro Gomes (CE) à Presidência da República e formalizar aliança com o PT de Dilma Rousseff, a direção nacional do PSB liberou ontem o partido para apoiar candidatos tucanos ao governo de Minas Gerais, de Alagoas e do Paraná.

"Mas a campanha para presidente é para Dilma", disse o presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Sem a presença de Ciro, o PSB oficializou ontem o apoio à candidatura da petista.

Campos minimizou a ausência de Ciro e de seu irmão, o governador Cid Gomes, do Ceará, no congresso extraordinário do partido que, por unanimidade, oficializou a aliança com o PT. "Ele (Ciro) tem o tempo dele. Mas o Ciro vai estar ao lado do partido. A posição dele será a posição do PSB", afirmou Campos.

Ciro viajou para o exterior durante todo o mês de maio, depois de ter sido escanteado pelo PSB.

Em Minas, os socialistas vão apoiar a reeleição de Antonio Anastasia (PSDB) e a candidatura de Aécio Neves (PSDB) e Fernando Pimentel (PT) para o Senado. Será a chapa "Dilmasia" - o voto para presidente na petista e no tucano para o governo do Estado. A aliança do PSB com o PSDB em Minas é antiga: em 2008, os dois partidos e o PT se uniram para eleger o atual prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB).

Em Alagoas, o PSB vai apoiar o tucano e candidato à reeleição Teotônio Vilela. No Paraná, os socialistas se aliaram ao tucano Beto Richa na disputa pelo governo do Estado. "Estamos sempre onde estivemos", disse Campos, referindo-se ao fato de o PSB ser aliado de tucanos nos três Estados há anos. O número de palanques em que o PSB vai apoiar o PSDB poderá aumentar caso os socialistas decidam apoiar a candidatura do tucano Anchieta Júnior ao governo de Roraima.

Na Paraíba, ocorrerá o inverso na aliança entre os dois partidos: o candidato do PSB, Ricardo Coutinho, será apoiado pelos tucanos. Depois de oficializar o apoio à candidatura de Dilma Rousseff, o presidente do PSB garantiu que o partido vai manter a aliança com o PC do B em torno da candidatura do deputado Flávio Dino ao governo do Maranhão.

Maranhão. Na sexta-feira, a direção nacional do PT decidiu que os petistas maranhenses têm de apoiar a reeleição da governadora Roseana Sarney (PMDB). "Nossa posição é de manter o apoio à candidatura de Flávio Dino", garantiu Campos. O ex-governador José Reinaldo, ex-aliado da família Sarney, será o candidato do PSB ao Senado.

O PSB terá candidato em nove Estados: Amapá (Camilo Capiberibe), Mauro Mendes (Mato Grosso), Renato Casagrande (Espírito Santo), Wilson Martins (Piauí), Paulo Skaf (São Paulo), Iberê Ferreira (Rio Grande do Norte), além de Eduardo Campos, Ricardo Coutinho e Cid Gomes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.