PSB protesta contra apreensão de material em comitê do partido

A Frente Popular de Pernambuco, capitaneada pelo candidato ao governo de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), condenou uma ação de apreensão e busca realizada neste sábado no comitê do presidente estadual do PSB, Milton Coelho e denunciou o que considerou autoritarismo do grupo político atualmente no poder. Em nota divulgada no início da noite, repudiou "a tentativa de intimidação" e manifestou "irrestrita solidariedade a Coelho.O pivô do conflito foi um panfleto intitulado "Tudo sobre o calote de Mendonça", com fotos do governador Mendonça Filho e do seu pai o deputado federal José Mendonça (ambos do PFL), divulgando uma suposta dívida de R$ 375 mil contraída pelo pai do governador, há 15 anos, e nunca paga ao Banco do Nordeste (BNB).A determinação da busca e apreensão no comitê eleitoral de Milton Coelho - que se estendia, se necessário, à gráfica e sua residência -, foi do desembargador auxiliar da Propaganda Eleitoral, Marco Maggi, que concedeu liminar a pedido da União por Pernambuco, coligação que apóia o governador-candidato Mendonça Filho e o ex-governador candidato ao Senado, Jarbas Vasconcelos (PMDB). A busca e apreensão foi realizada no comitê, mas nada foi encontrado. Os panfletos já haviam sido distribuídos pelo Recife e região metropolitana.De acordo com a nota, o episódio "revela, com toda clareza, o caráter intrinsecamente autoritário do grupo político atualmente no poder em Pernambuco, apoiador de primeira hora do regime militar e certamente nostálgico do tempo que podia silenciar a verdade por meio da força". "Não nos silenciarão", complementa a nota, que apela "às autoridades constituídas que assegurem condições para a livre expressão do pensamento e amplo debate político". Sem isso, "estarão seriamente comprometidos o próprio estado de direito democrático e o processo eleitoral em curso no Estado".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.