PSDB de Roraima racha e vai a segundo turno dividido

BOA VISTA

Loide Gomes, Especial Para o Estado, O Estado de S.Paulo

14 Outubro 2010 | 00h00

O PSDB em Roraima rachou e segue dividido para a eleição do segundo turno ao governo do Estado. A secretária-geral do partido, Marluce Pinto, o tesoureiro, Evandro Moreira, que é seu irmão, e o deputado federal Urzeni Rocha abandonaram a campanha para reeleição do governador Anchieta Júnior e se aliaram a seu adversário, Neudo Campos (PP).

Com o rompimento, Anchieta perde uma aliada de peso. Marluce é viúva de Ottomar Pinto - que escolheu o então desconhecido Anchieta para ser seu vice e de quem ele herdou o mandato após a morte de Ottomar, em 2007.

A viúva, o cunhado e uma das filhas de Ottomar - Marília Pinto, que é vice na chapa de Neudo - acusam Anchieta de "ingratidão" e de ter priorizado a candidatura de adversários de Marluce, que no dia 3 de outubro foi derrotada para o Senado. O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB), integrava a coligação e saiu vencedor das urnas.

Para Urzeni Rocha, o governador fez "campanha ostensiva e implacável" contra os membros de seu próprio partido. "Ele não tem um projeto para o povo de Roraima", acusa.

O grupo tucano, que também inclui três prefeitos e um deputado estadual, acusa o presidente do Diretório Regional de infidelidade partidária por ter ignorado o presidenciável José Serra durante a campanha ao primeiro turno e diz que vai levar a questão à executiva nacional do PSDB.

Anchieta reagiu à ruptura com demissões. Trocou secretários indicados pelos ex-aliados e mandou exonerar qualquer servidor comissionado ligado a eles. Procurado pela reportagem, ele informou pela assessoria de imprensa que não se pronunciaria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.