PSDB vai convocar arapongas para depor no Congresso

Líder da minoria afirma que acionará a Comissão Mista de Controle das Atividades de [br]Inteligência

João Domingos, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2010 | 00h00

Num contra-ataque à central de dossiês da campanha da petista Dilma Rousseff, o PSDB decidiu acionar a Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência do Congresso. "Vamos convocar arapongas e jornalistas envolvidos na produção de dossiês contra nossos candidatos", disse o líder da minoria na Câmara, Gustavo Fruet (PSDB-PR).

O Estado mostrou ontem que a articulação para montar a central de dossiês para a campanha de Dilma contou com a participação de espiões ligados aos serviços secretos oficiais. Por isso, segundo Fruet, é que a comissão do Congresso será acionada, pois a ela cabe fiscalizar as atividades de espionagem de órgãos do governo.

De acordo com a reportagem, um dos agentes secretos contatados pela campanha petista foi Idalberto Matias de Araújo, o sargento Dadá, um dos mais experientes espiões do Cisa, o serviço secreto da Aeronáutica. Ele se notabilizou por ter trabalhado nas investigações que resultaram na Operação Satiagraha, contra o banqueiro Daniel Dantas. Dadá foi contatado pelo jornalista Luiz Lanzetta, a serviço da campanha de Dilma, com quem acertou o preço do serviço.

Fruet lembrou que os agentes envolvidos na montagem da central de dossiês da campanha de Dilma Rousseff pertencem aos mesmos grupos que estiveram não só por trás da Operação Satiagraha, mas também de outras ações escandalosas ocorridas durante os dois governos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"São os mesmos do escândalo do Waldomiro Diniz (então subchefe da Casa Civil) e o empresário de jogos Carlinhos Cachoeira, dos grampos nos ex-deputados Bispo Rodrigues e André Luiz (ambos do Rio, suspeitos de extorsão) e na montagem dos equipamentos de espionagem que resultaram na CPI dos Correios", disse o tucano. "Esse pessoal é conhecido e é sempre o mesmo. O grupo acaba sendo acionado toda vez que os setores de inteligência do governo têm de fazer algum serviço não-oficial, com métodos não ortodoxos."

Inquérito. Ele afirmou ainda que o PSDB vai acionar os Ministérios Públicos Federal e Eleitoral, pedir a abertura de inquérito policial para apurar a montagem da central de dossiês, porque é preciso saber de onde vem o dinheiro para pagar as operações. "Se vier do Fundo Eleitoral, está caracterizado o crime", disse. / COLABOROU EVANDRO FADEL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.