PSOL declara que não irá apoiar nem Alckmin nem Lula

A senadora Heloísa Helena (PSOL-AL), que, como candidata à Presidência da República, conseguiu 6,85% dos votos válidos, mandou um recado ao PSDB do candidato presidencial Geraldo Alckmin e ao PT do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição. "Não precisam nos procurar, porque temos uma decisão política. Aqueles meus amigos do PT que não são corruptos e são honestos não vão me procurar. Eu não tenho que liberar nenhum dos meus eleitores, pois eles votam do que jeito que querem. Meus eleitores são homens e mulheres livres", afirmou, em discurso da tribuna do Senado. Heloísa Helena anunciou que os dirigentes de seu partido não poderão declarar voto nem em Alckmin nem em Lula. Essa foi a decisão tomada nesta terça-feira pelo partido. Ela subiu à tribuna para agradecer os votos recebidos no primeiro turno. "Nós apresentamos várias propostas e, talvez, fomos os únicos obrigados a detalhar todos os programas mostrando de onde vinham os recursos para cada ação de governo. Pois estávamos enfrentando a verborragia neoliberal e o pensamento único", afirmou a senadora. Da lista de agradecimentos, excluiu os eleitores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Alagoas, seu Estado. "Eles foram implacáveis: pensem numa gente vagabunda", disse. A senadora citou o total de votos que recebeu em cada Estado. Críticas a LulaHeloisa Helena não poupou críticas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e revelou sua frustração com a ausência do petista nos debates. "O único detalhe que me dá um misto de frustração é não ter conseguido enfrentar o Lula em qualquer debate. Infelizmente, ele ficou sentadinho no seu troninho podre de corrupção, arrogância e covardia política. Não teve a coragem de ficar bem pertinho de mim para me enfrentar, embora tivesse a obrigação de ter ido ao debate", disse a senadora. Ela ressaltou que, ao deixar o Senado, voltará a ser professora e continuará na condução do PSOL. Afirmou que se despede do Senado e da campanha presidencial com a cabeça erguida. "Não fizemos parte de nenhuma negociata, de nenhum balcão de negócios sujos. Não traímos nossa classe de origem, não vendemos nossas convicções ideológicas, não vendemos a nossa alma e o nosso coração pelas conveniências do poder", afirmou a senadora, recebendo elogios dos colegas. A matéria foi alterada às 17h58 com inclusão de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.