PT abre mão de Senado em troca de apoio no DF

O diretório petista em Brasília definiu, na noite de sábado, que aceitará negociar uma aliança com o PMDB e abriu mão das duas candidaturas ao Senado para PSB e PDT. O candidato do PT ao governo do Distrito Federal é Agnelo Queiroz, ex-ministro do Esporte. A decisão deve fortalecer o palanque da presidenciável petista, Dilma Rousseff no DF.

Leandro Colon / BRASÍLIA, Eliana Lima ESPECIAL PARA O ESTADO / SALVADOR, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2010 | 00h00

No encontro, os delegados petistas derrubaram a proposta que vetava aliança com o PMDB nas eleições de outubro. Usaram o discurso de que o ideal é tentar repetir, em Brasília, as alianças que Dilma fará no campo nacional - o PMDB deve indicar o vice da chapa presidencial. A postura do diretório abriu caminho para negociar um nome peemedebista para a vaga de vice-governador na chapa com Agnelo. Para o Senado, os nomes serão do senador Cristovam Buarque (PDT) e do deputado federal Rodrigo Rollemberg, do PSB.

A decisão de entregar as vagas ao Senado para PDT e PSB foi uma derrota para o deputado petista Geraldo Magela. Depois de perder para Agnelo a prévia de candidato ao governo do DF, Magela queria disputar o Senado. Mas prevaleceu a orientação do comando nacional do PT, de tentar agregar na chapa as principais forças que estão ao lado da candidatura de Dilma.

Ministério e pesquisa. Ontem, em Salvador (BA), Dilma participou do encerramento do Congresso Estadual do PT. O evento lançou a pré-candidatura de Jaques Wagner à reeleição.

Durante seu discurso, Dilma disse que, se eleita, deverá criar o Ministério do Empreendedorismo, como forma de estimular o crescimento das micro e pequenas empresas. Segundo ela, a ideia de criar uma pasta específica para o segmento já vem sendo cogitada no atual governo. "O desenvolvimento dessa área é uma grande preocupação nossa e do presidente Lula", justificou.

A petista evitou comentar o resultado da pesquisa Vox Populi, divulgada no sábado, que a coloca à frente do presidenciável tucano José Serra. De acordo com o instituto, Dilma aparece com 38% das intenções de voto, ante 35% de Serra. "A gente leva as pesquisas em consideração como uma referência, mas, ninguém ganha eleição com pesquisa ou subindo nos alto por causa de pesquisa", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.