PT aceita CPI do lixo em São Paulo

A bancada do PT na Câmara de São Paulo confirmou hoje que pedirá a instalação de uma CPI do lixo, que deve ser instalada nas próximas semanas. Logo após a decisão, as bancadas de oposição iniciaram as articulações para evitar que a CPI seja presidida pela vereadora Aldaíza Sposati (PT). A proposta do PT é que sejam investigados todos os contratos de lixo desde 1988.Durante reunião da bancada, que durou mais de quatro horas, ficou definido que o pedido será apresentado assim que uma das cinco CPIs em curso na Câmara seja concluída, o que deve ocorrer dentro de um mês. Segundo os vereadores da bancada, a decisão confirma a posição do partido, que sempre foi favorável a qualquer tipo de investigação. "Queremos quebrar essa aliança que houve entre o PSDB e o PPB de transmitir para a opinião pública que nós não éramos favoráveis à CPI", disse Carlos Néder (PT).Ele lembrou que o pedido de CPI foi apresentado por Aldaíza em fevereiro, um mês antes de outro requerimento, elaborado pelo vereador Salim Curiati (PPB). Oficialmente, os governistas negam que a decisão esteja relacionada à pressão política, inclusive dentro do partido, para que seja aberta a investigação. "Por que a oposição não priorizou o lixo quando foram abertas as cinco CPIs?", indagou o presidente da Câmara, José Eduardo Martins Cardozo (PT)."Eles querem é fingir para população que vão investigar alguma coisa", rebateu Curiati. Segundo ele, os líderes da oposição devem reunir-se para apresentar uma nova proposta de CPI para investigar apenas os contratos de emergência firmados pela prefeita Marta Suplicy (PT). "Vamos fazer um acordo de retirar todos os pedidos de CPI do Lixo na Casa e apresentar uma proposta única", disse Curiati. "No passado, eles sempre diziam que o governo não tem legitimidade para investigar a si mesmo".A opinião é compartilhada pelo líder do PSDB, Gilberto Natalini. "Todos os líderes partidários, inclusive do PT, devem retirar seus pedidos e fazer apenas um de consenso de todos os vereadores", disse. "Se o PT afirma que amadureceu politicamente, então eles tem de investigar o problema do lixo", disse o tucano.Para os vereadores petistas, a decisão de apresentar um pedido de CPI do Lixo é uma forma de esclarecer à população que a legenda sempre foi favorável à investigação. Nos bastidores, porém, admitem que a pressão política, especialmente após a posição do senador Eduardo Suplicy (PT), que é favorável à investigação, acelerou a decisão.Apesar de admitirem que os novos contratos de emergência devem ser abordados pela futura Comissão, a prefeita deve ser poupada pelos aliados na Câmara, caso o requerimento dos governistas seja aprovado em plenário. "O que nós devemos investigar é a forma de que os contratos são realizados, que é um sistema muito antigo e não permite transparência", afirmou Aldaíza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.