PT assedia prefeitos do PMDB paulista

Mercadante busca apoio de 'infiéis' do partido de Quércia, que integra aliança de Alckmin e comanda 11,5% das 645 prefeituras do Estado

Adriana Carranca, Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2010 | 00h00

O PT e o PSDB protagonizam um cabo de guerra na disputa pelo apoio dos 645 prefeitos paulistas. A infantaria é considerada essencial pelas campanhas do petista Aloizio Mercadante e do tucano Geraldo Alckmin na disputa pelo governo de São Paulo.

Durante a semana, o comitê de Mercadante anunciou o apoio de 25 prefeitos de partidos que integram a base de Alckmin. Os tucanos, por sua vez, garantem já ter ao seu lado 60 prefeitos de siglas coligadas ao candidato do PT a governador.

As listas dos "infiéis" ainda são mantidas em sigilo para não gerar constrangimento. Publicamente, apenas os prefeitos de Jaguariúna, Gustavo Reis (PPS), de São José do Rio Pardo, João Luis Soares da Cunha (PMDB), e de Águas de Santa Bárbara, Carlos Alberto de Carvalho (PSC), de legendas aliadas ao PSDB, declararam apoio formal a Mercadante.

Oficialmente, a equipe de Alckmin realizou encontros em seu QG, na capital, com cerca de 150 prefeitos. "Já manifestaram apoio prefeitos do PDT e do PR, partidos da aliança de Mercadante", disse Sidney Beraldo, coordenador da campanha de Alckmin.

No corpo a corpo com prefeitos, a coordenação do PT em São Paulo já traçou sua estratégia. O assédio do partido recai sobre o PMDB, que tem 11,5% das prefeituras no Estado. Ontem, em Jales, no interior paulista, petistas realizaram um encontro da coligação com peemedebistas, justamente para aparar arestas e tentar atrair mais adesões.

Em São Paulo, o PMDB do ex-governador Orestes Quércia, candidato ao Senado, integra a aliança de Alckmin. Mas o PT acredita ter mais argumentos para convencer os prefeitos do partido a apoiar Mercadante, porque o deputado Michel Temer, presidente nacional do PMDB é vice da candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff.

Mercadante tenta reverter o quadro desfavorável, já que, mesmo com dez siglas, a coligação não soma 80 prefeitos. Ele cumpre verdadeira maratona por cidades do interior desde que foi dada a largada oficial para a campanha, em 6 de julho. "Em Sertãozinho, o prefeito Nério Garcia da Costa, do PPS, caminhou com Mercadante e ele é da coligação tucana", diz Emídio de Souza, coordenador do comitê.

Os tucanos, por sua vez, têm em sua base 449 prefeitos paulistas e assediam PSB e PDT. "Temos apoio de todos os prefeitos da coligação e de fora porque a política do presidente Lula beneficiou muito o interior", garante o coordenador petista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.