PT é denunciado por crime eleitoral em Jundiaí

A juíza da 2a. Vara Criminal de Jundiaí e titular da 65a. Zona Eleitoral, Elaine Cristina Monteiro Cavalcanti Rodrigues, acatou denúncia de crime eleitoral da promotoria contra o Partido dos Trabalhadores (PT). O promotor criminal Francisco Carlos Cardoso Bastos acusa o PT de ter recebido nas eleições municipais de 2000 dinheiro das empresas concessionárias de transporte urbano, o que é proibido por lei.De acordo com o processo aberto pelo Ministério Público, o então tesoureiro da campanha de 2000 teria recebido das empresas de ônibus Viação Jundiaiense e Auto Ônibus Três Irmãos a quantia de R$ 15.900,00. Como empresas concessionárias de serviços públicos, as empresas de ônibus jamais poderiam fazer doações para candidatos à Prefeitura ou Câmara Municipal. O dinheiro tinha sido entregue ao atual deputado estadual, Mauro Menuchi, que na época era candidato a vereador.O promotor afirma ainda que o PT adulterou os recibos de doações das empresas de ônibus para os nomes dos seus proprietários, como o empresário e advogado Antônio Russo (pai de Antônio Russo Filho, dono da Viação Jundiaiense), Mateus Magarotto e Christian Max Lorenzini. O promotor público diz ainda na denúncia que o ex-secretário de Obras da Prefeitura de Campinas, Pedro Bigardi, confirmou a falsificação na época, por meio de documentos.DefesaA juíza Elaine Rodrigues já colheu depoimento de Pedro Bigardi, que é pré-candidato do PT à Prefeitura de Jundiaí. Ele revela que vai tentar paralisar a ação do promotor na Justiça e, nega irregularidades na campanha. Bigardi disse que o dinheiro foi recebido de pessoas físicas, mas por uma falha "da secretaria, informaram à Tesouraria do PT que a doação tinha de ser lançada para as empresas de ônibus".Bigardi disse que as irregularidades foram sanadas, pois o PT realizou uma declaração retificadora na época, mas que só no mês passado o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) teria acatado a prestação de contas. "Foi um erro mesmo do nosso comitê financeiro, mas corrigimos isso", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.