PT e PSDB temem 30% de faltas hoje

Pará

Carlos Mendes, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2010 | 00h00

O Pará enfrenta hoje uma das eleições mais tensas dos últimos tempos, em meio a denúncias de corrupção, crimes eleitorais e ameaças de confronto entre partidários do PT, reunidos em torno da governadora Ana Júlia Carepa, que busca a reeleição, e do candidato da oposição pelo PSDB, Simão Jatene. Além da guerra verbal entre os candidatos e militantes dos dois partidos, há o temor de todos de que a abstenção, por causa do feriado prolongado, alcance 30% dos 4,8 milhões de eleitores.

Nem Ana Júlia nem Jatene se empenharam em pedir o comparecimento dos eleitores às urnas. Muita gente já havia deixado as principais cidades paraenses ainda na sexta-feira rumo às praias. Barcos e ônibus saíram lotados de portos e estações.

Na briga entre os candidatos, Ana Júlia acusa o PSDB de montar uma central de baixarias para "denegrir" sua imagem com "calúnias e falsas informações". Ela pediu ao TRE a apreensão de adesivos colados em veículos em que é chamada de "cachaceira". A Justiça acolheu o pedido da governadora, mas o PSDB nega que tenha partido dele a origem do adesivo.

Jatene também se queixa de "injúrias e mentiras" do PT e da governadora, a quem acusa de plantar informações de que ele estaria prestes a ser julgado no TSE por crime eleitoral cometido ainda na época em que se elegeu governador, em 2002. "Estão inventando coisas", diz Jatene. Ele diz que o processo que tramita no TSE envolve o ex-governador e fundador do PSDB no Estado, Almir Gabriel, aliado de Ana Júlia.

Boca de urna. A Procuradoria Regional Eleitoral pediu o apoio da Polícia Federal para combater neste domingo a boca de urna, a compra de votos e o transporte de eleitores pelos candidatos ou seus cabos eleitorais. Tropas federais também devem garantir a segurança dos eleitores em 80 dos 144 municípios.

Como em outras eleições, o presidente do TRE paraense, desembargador João Maroja, determinou que a venda de bebidas alcoólicas seja reprimida com rigor para evitar que pessoas embriagadas provoquem tumultos nos locais de votação.

Preocupado em garantir a rapidez na apuração dos votos, ele também montou uma operação para transporte, por helicópteros, das urnas em locais de difícil acesso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.