PT escala Minc para conquistar apoio de Marina

Ex-ministro estuda um conjunto de propostas para reforçar o programa de governo da candidata Dilma Rousseff na área de meio ambiente

Bruno Boghossian / RIO, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2010 | 00h00

Em busca dos eleitores de Marina Silva (PV) ligados a questões ambientais, o PT encomendou ao ex-ministro Carlos Minc um conjunto de propostas para reforçar o programa de governo da candidata do partido à Presidência, Dilma Rousseff.

Minc elaborou um documento com oito tópicos relacionados ao desenvolvimento sustentável e à preservação da natureza, como a redução de impostos para equipamentos geradores de energia limpa e a revisão da anistia a desmatadores proposta no projeto de reformulação do Código Florestal.

A avaliação da campanha petista é de que boa parte dos 19% dos votos obtidos por Marina no primeiro turno está ligada aos ideais verdes - apesar de o crescimento da candidata do PV nas últimas semanas de campanha ter sido impulsionado por questões ligadas à religião e ao aborto.

"A Marina acabou se tornando depositária de um voto mais conservador, mas ela já tinha 11% das intenções de voto três semanas antes dessa discussão", avalia Minc. Para ele, a maioria deles estava alinhado à "sustentabilidade, à ética e até à questão religiosa, mas não nessa proporção."

Entre as propostas que devem ser incluídas no programa de governo de Dilma estão a criação de critérios que destinam mais recursos do Fundo de Participação dos Municípios a cidades com bons índices de preservação ambiental, a ampliação do crédito para empresas com baixa emissão de gases estufa e o corte de impostos para a produção de equipamentos para a geração de energia renovável (eólica, solar e de biomassa).

Sucessor de Marina no Ministério do Meio Ambiente e titular da pasta entre maio de 2008 e março de 2010, Minc saiu em defesa de Dilma para tentar apagar a imagem de que, no governo, a petista teria privilegiado o crescimento econômico em detrimento à preservação dos recursos naturais.

"Eu não vou dizer que a Dilma é ecologista de carteirinha. Ela é uma desenvolvimentista, mas é uma desenvolvimentista com sensibilidade ambiental", diz Minc. "Na minha gestão, das 10 principais guerras que travei, Dilma esteve do meu lado em oito."

Meio ambiente x PAC. À frente da Casa Civil por cinco anos, Dilma é apontada como pivô da crise que resultou na saída de Marina Silva do governo. Dilma teria pressionado o Ministério do Meio Ambiente para conceder licenças para obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e teria dificultado a criação de áreas de proteção ambiental. "Essa foi a versão que preponderou", ameniza Minc. Segundo ele, Marina não teria ficado mais de 5 anos no ministério se não tivesse conseguido "fazer coisas boas".

Minc vem convocando cientistas e ambientalistas para integrar um manifesto de apoio a Dilma. O PT quer que profissionais engajados na defesa do meio ambiente assinem uma carta para declarar voto em Dilma.

Apoio verde

CARLOS MINC

EX-MINISTRO DO MEIO AMBIENTE

"As pessoas dizem que os conflitos com a Dilma e a questão das licenças

do PAC teriam sido a razão da saída da Marina do ministério, mas essa foi apenas a versão que preponderou"

"A Marina ficou 5 anos e 5 meses no ministério. Ela não teria ficado tanto tempo se não tivesse conseguido fazer coisas boas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.