PT faz prévia para definir candidato ao Senado no Rio

PT faz prévia para definir candidato ao Senado no Rio

Disputa entre Benedita da Silva e Lindberg Farias contraria recomendação da cúpula do PT, de evitar eleição interna no partido

Luciana Nunes Leal / RIO, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2010 | 00h00

Acostumado a fazer prévias para escolher candidatos a prefeito, a governador e até a presidente da República, o PT terá pela primeira vez eleição interna para decidir quem disputará uma vaga ao Senado. Será neste domingo, no Rio de Janeiro. A ex-governadora e ex-senadora Benedita da Silva desmentiu rumores de que abriria mão da disputa com o prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias. O vencedor será candidato na chapa do governador Sérgio Cabral (PMDB).

O presidente do PT fluminense, deputado Luiz Sérgio, disse não ter mais expectativa de acordo no Rio de Janeiro e informou que a direção nacional do PT ainda tenta evitar outras duas prévias para escolha de candidatos ao Senado, em Pernambuco e em Mato Grosso.

A prévia contraria recomendação da direção nacional do PT, que quer evitar que disputas internas enfraqueçam a pré-candidatura da ministra Dilma Rousseff. "No Rio, todo esforço foi feito para não haver prévia. O presidente José Eduardo Dutra ainda está tentando resolver questões em outros Estados, mas o caso do Rio vai fortalecer os que querem prévias", afirmou Luiz Sérgio. Ele calcula que 20 mil filiados votarão no domingo.

Benedita disse que explicou ao comando nacional do partido seus motivos para disputar a indicação ao Senado. "Pleiteio ser candidata ao Senado desde 2003. No último momento, apareceu um outro candidato. Se teve tentativa para evitar a prévia, não é comigo que estão tentando", afirmou a ex-governadora, hoje secretária estadual de Assistência Social. "Considero fundamental o partido estar representado na prefeitura de Nova Iguaçu. Mas se Lindberg resolveu pleitear, o que é legítimo, vamos fazer prévia. Estou acostumada", completou Benedita.

Lindberg planeja deixar a prefeitura na próxima quarta-feira e será sucedido pela vice, Sheila Gama, do PDT. Se não vencer as prévias de domingo, o prefeito deverá ser candidato a deputado. "Estamos muito animados, mas não de salto alto", diz Lindberg. "Meu argumento central é que a vitória do PT no Senado coloca uma perspectiva concreta de poder para o partido no Rio de Janeiro, nas eleições de 2014 e também nas eleições municipais de 2012", explica o prefeito.

Em Pernambuco, se não houver acordo, disputarão a indicação ao Senado o ex-ministro da Saúde Humberto Costa e o ex-prefeito de Recife João Paulo. Em Mato Grosso, disputarão prévia o deputado Carlos Abicalil e a senadora Serys Slhessarenko.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.