PT lança coligação em MG sem a presença de Pimentel

No dia do lançamento oficial das candidaturas do candidato do PT ao governo mineiro, Nilmário Miranda, o tom dos discursos foi voltado para a unidade do partido, dividido desde que os petistas decidiram firmar aliança com o PMDB e apoiar o nome de Newton Cardoso ao Senado.Ontem, a grande ausência sentida na solenidade foi do prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), que foi representado pelo secretário municipal de governo, Paulo Moura.Ele enviou uma carta a Nilmário e ao vice-presidente, José Alencar afirmando que, em função de uma forte gripe foi impedido de comparecer, mas prometeu engajamento na campanha, "sem abrir mão das divergências partidárias tão comuns na democracia".Pimentel chegou a admitir "constrangimento" no apoio ao ex-governador por uma vaga ao Senado e que a sua candidatura, tornaria a coligação (PT-PMDB-PCdoB-PRB) "desconfortável".Para o vice-presidente da República, José Alencar, "todas as vezes que há uma formação de chapa, há um certo rebuliço, mas isso já acabou, não há nenhum problema, há uma unidade perfeita". Ao comentar o anúncio do presidente nacional do PMDB, Michel Temer, que optou por apoiar a candidatura do tucano Geraldo Alckmin, Alencar afirmou: "É absolutamente democrático que o cidadão tenha sua vontade e isso é bom".A solenidade de lançamento da coligação começou com mais de uma hora de atraso, quando José Alencar e Newton Cardoso entraram juntos no auditório do Sesc, no centro de Belo Horizonte, seguido por Nilmário Miranda.O auditório, com capacidade para cerca de 300 pessoas, não chegou a ficar lotado e contou com uma platéia mais contida, formada por militantes, prefeitos e parlamentares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.