PT lança Mercadante, que cola campanha à era Lula

O PT lançou ontem o senador Aloizio Mercadante ao governo de São Paulo, em sua convenção paulista, numa coligação que reúne 10 siglas e ainda conta com dissidentes do DEM e do PSDB que aderiram à campanha.

Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2010 | 00h00

Sob o slogan "Deu certo no Brasil, vai dar certo em São Paulo", Mercadante discursou por 45 minutos no Pavilhão Vermelho do ExpoCenter Norte ao lado de seu vice, Coca Ferraz (PDT), um ex-tucano, e do vereador Carlos Apolinário, ex-líder da bancada do DEM na Câmara de São Paulo.

"Demorou muito tempo para dar uma chance para o presidente Lula. Mas hoje quando a gente vê o Apolinário e o Coca Ferraz, que era do PSDB, sabe que esse é o movimento que a gente quer para São Paulo", ressaltou o candidato petista.

Em tom ameno, Mercadante disse que não atacaria o principal adversário, Geraldo Alckmin (PSDB), e pediu uma "chance" para assumir o Palácio dos Bandeirantes. "Se um dia deram chance, nós pudemos mostrar nosso trabalho. Deem uma oportunidade ao PT e ao Mercadante em São Paulo", afirmou.

Entre as promessas de seu discurso, o petista disse que vai priorizar o transporte ferroviário para a periferia e o interior. Afirmou ainda que vai criar uma "guarda de proteção escolar" e instalar câmeras de alta definição para monitorar as escolas.

Senado. A convenção ratificou ainda o presidente da Câmara de São Paulo, Antonio Carlos Rodrigues (PR), à suplência de Marta Suplicy ao Senado. O vereador e pagodeiro Netinho de Paula (PC do B) também foi lançado como candidato a senador.

O PT aproveitou a convenção para testar slogans para Mercadante. As principais bandeiras do evento continham a frase "Deu certo no Brasil, vai dar certo em São Paulo". O candidato também já tem jingle, com o refrão "Eu vou de Mercadante governador, agora é nossa vez de vencer".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.