PT pede a cassação de candidatura de Alckmin no TSE

A 12 horas do início da eleição, o PT protocolou duas ações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo que seja cassado o registro do candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin. O partido acusa a campanha de Alckmin de uma série de irregularidades, como uso indevido dos meios de comunicação, utilização da máquina administrativa, abuso de poder político e caixa dois.As ações foram protocoladas duas semanas após o corregedor-geral da Justiça Eleitoral e ministro do TSE, Cesar Rocha, ter aberto uma investigação judicial para apurar se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, e outros petistas tiveram envolvimento com a venda de um dossiê contrário a tucanos. Se for concluído que Lula teve participação, ele pode ser punido até com a perda de um eventual segundo mandato.De acordo com os advogados do PT, o caixa dois da campanha tucana existiria por meio da arrecadação de recursos pela organização não governamental Nova Política, Frente Nacional da Sociedade Civil. Segundo a defesa de Lula no TSE, isso seria proibido.Os advogados da campanha petista afirmam que a arrecadação era feita com o conhecimento de Geraldo Alckmin. Além da arrecadação de recursos, a defesa de Lula sustenta que a ONG fez explícita e irregularmente propaganda eleitoral em favor do candidato tucano durante a campanha. No site da Nova Política na Internet (www.novapolitica.org.br), aparecia na noite de sexta-feira, 29, a seguinte informação: "Seguindo a orientação do Tribunal Superior Eleitoral, e em cumprimento à resolução do TSE no. 22261, artigo 2º., que determina a suspensão de qualquer propaganda durante o período que antecede a eleição, retiramos do ar o site da Nova Política. Bom voto a todos!"Abuso de poder políticoO advogado Marcio Luiz Silva, que representa o PT, argumentou que concessionárias públicas não podem doar recursos para campanhas políticas e disse que pode haver indícios de lavagem de dinheiro. "Estamos pedindo que o comitê financeiro diga que tipo de relação ele tem com essa ONG", afirmou.No outro pedido, o PT acusa o PSDB de abuso de poder político, econômico e de uso dos meios de comunicação no caso da divulgação das fotos do dinheiro que seria usado por petistas na compra de um dossiê contra políticos tucanos. "Para afirmar que alguém manipulou alguém eu teria que provar que essa manipulação se deu. Eu estou dizendo que houve uso e que esse uso beneficiou uma candidatura. Estamos pedindo para o TSE investigar. Os indícios são muito fortes", afirmou ele. O pedido é para cassação de registro e, no caso de vitória de Alckmin, perda do diploma e inelegibilidade. Outra acusaçãoOutra acusação é que o candidato tucano à Presidência da República, Geraldo Alckmin, teria usado, quando era governador do Estado de São Paulo, aviões oficiais para fazer deslocamentos para o interior de São Paulo e para outros estados. O objetivo dessas viagens, argumenta o PT, era fazer campanha política. Segundo o advogado, houve envolvimento de bens públicos. "Está colocada na ação, inclusive, a intensificação de viagens que então governador fez logo depois de ser indicado como candidato", afirmou. Além da coligação e do candidato, são citados na ação o comitê financeiro da campanha, a ONG, uma outra organização ligada à Nova Política e o presidente da ONG.A matéria foi alterada à 00h40 com inclusão de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.