Beto Barata/AE-9/2/2001
Beto Barata/AE-9/2/2001

PT quer definir candidato em SP já em 2011

Partido busca evitar repetição do quadro de indefinição que marcou escolha de nome em 2010

Gabriel Manzano, O Estado de S.Paulo

18 Abril 2011 | 00h00

Uma resolução aprovada ontem por cerca de 430 delegados de 36 diretórios zonais do PT paulistano definiu a posição da legenda quanto à corrida pela Prefeitura de São Paulo de 2012: eles querem "um candidato já", como resumiu o presidente do diretório municipal, vereador Antonio Donato.

Não é ansiedade, é estratégia. Ao propor, no item 46 do documento, "entrar em 2012 com uma candidatura definida", os petistas da capital querem evitar o que consideram um grave erro da campanha para governador em 2010: o de esperar demais - no caso, pela candidatura de Ciro Gomes (PSB) - e definir muito tarde o nome de Aloizio Mercadante. "Precisamos ocupar espaços, ganhar os setores médios", resume Donato.

Ele chama de "setores médios" uma faixa de periferia não tão distante, que o PT havia perdido mas que, em boa parte, votou em Dilma Rousseff no ano passado. Regiões como Pirituba, Vila Prudente, Ermelino Matarazzo, Santo Amaro, Butantã.

A resolução não esconde as críticas do grupo ao que se fez em 2010. Um ano em que, diz o texto, "ficamos dependentes da definição da candidatura Ciro Gomes, que custou a definição de nosso candidato, trazendo imenso prejuízo eleitoral".

"Incompreensão"[ ]. [/ ]Em um capítulo sob título "Construir um projeto hegemônico na Capital", o texto afirma que "inúmeras vezes o PT paulistano chamou a atenção para as direções estadual e nacional" sobre a importância de São Paulo. "Porém, não tem havido interesse pelo pleito, demonstrando uma total incompreensão com o papel que a Capital tem no cenário nacional".

Como o texto não menciona candidaturas, não se avalia nele a tese atribuída ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva segundo a qual o ministro da Educação, Fernando Haddad, teria um forte potencial para conquistar áreas do eleitorado da classe média paulistana.

"O encontro não era para definir nomes, apenas para despertar o sentimento da militância", explica Donato. Isso não impediu que circulassem, nos debates e discursos, cinco ou seis preferências dos vários grupos - a senadora Marta Suplicy, os ministros Aloizio Mercadante, Fernando Haddad e José Eduardo Cardozo, o deputado Jilmar Tatto e também o senador Eduardo Suplicy. "O que não falta são nomes", afirma o deputado federal Paulo Teixeira. Mas o que ele acha essencial, no momento, é dividir a campanha em etapas. Primeiro, montar as bases, estudar as áreas da cidade e atribuir tarefas. Depois, "fechar com um nome que entusiasme a militância".

Donato não acha que a resolução atrapalhe os planos dos ministros Mercadante, Haddad e Cardozo - que, para disputar, teriam que deixar mais cedo os seus ministérios. "Sair em janeiro ou abril do ano que vem, dá na mesma", garante ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.