PT recua e passa a exibir candidatos a deputado

Partido coloca nomes de postulantes em SP após crise em estúdio; antes, propaganda pedia apenas voto na legenda

Gustavo Porto, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2010 | 00h00

O comando de campanha do PT de São Paulo cedeu à pressão dos candidatos a deputado estadual e federal pelo partido e começou a exibir os postulantes a uma vaga na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados, com seus nomes e números, na propaganda eleitoral gratuita veiculada ontem.

Até então, as inserções na TV durante os programas da presidenciável Dilma Rousseff e do candidato ao governo de São Paulo Aloizio Mercadante traziam ao eleitor apenas a orientação para o voto na legenda.

Articulada pelo presidente do PT no Estado, Edinho Silva, a decisão de não chamar os candidatos nominalmente havia sido tomada por meio de assembleia do partido.

Estimulando os eleitores a votar na legenda, o objetivo era alcançar um total de 2 milhões de votos no Estado.

A crise tomou corpo durante as gravações de terça-feira, em um estúdio da Vila Mariana, em São Paulo. Um grupo liderado pelas candidatas a deputada estadual, Telma de Souza, e a deputada federal, Misa Boito, ameaçou organizar um abaixo-assinado por não concordar com a gravação de vários candidatos ao mesmo tempo e defendia que cada um aparecesse de forma isolada.

A saia-justa foi contornada pelo deputado estadual Rui Falcão e pelo deputado federal Vicentinho, ambos candidatos à reeleição. A cúpula do PT conseguiu negociar e chegou a um meio termo com os candidatos.

Acordo. Ficou decidido que a gravação seria feita com grupos de seis deputados federais e nove deputados estaduais por vez, apresentados pelo candidato ao governo de São Paulo, Aloizio Mercadante, como foi feito no programa exibido ontem.

De acordo com um candidato a deputado federal que preferiu não se identificar, ainda assim a decisão desagradou a algumas alas do PT.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.