Beto Barata/AE-18/12/2010
Beto Barata/AE-18/12/2010

PT vai à PF contra ''arapongas'' do PSDB

Cúpula petista pede investigação sobre suposta espionagem de tucanos contra Aécio Neves e mira deputado Marcelo Itagiba

FAUSTO MACEDO e BRUNO TAVARES, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2010 | 00h00

A cúpula do PT requereu à Polícia Federal investigação sobre suposto núcleo de arapongagem do PSDB que teria bisbilhotado o senador eleito Aécio Neves. A base do pedido são informações que a própria PF divulgou sobre investigação que revela a atuação de outro grupo de inteligência, este do próprio PT, que teria sido montado para espreitar políticos tucanos e familiares do presidenciável José Serra.

A ofensiva do PT amplia o fogo cruzado com os tucanos a oito dias das eleições presidenciais. Em petição ao delegado Hugo Uruguai, que conduz o inquérito 839/2010 para apurar a violação de sigilo fiscal de Verônica Serra e de seu marido Alexandre - filha e genro do candidato do PSDB à Presidência -, o diretório nacional do PT solicita inicialmente comunicação à Procuradoria-Geral da República pelo fato de o deputado e delegado da PF Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) ter seu nome citado no episódio.

O PT cobra apuração "na forma da lei, sobre a forma de atuação e os métodos do suposto grupo de inteligência que teria sido coordenado pelo deputado federal Marcelo Itagiba e organizado por membros do PSDB para obtenção de informações e dados sobre o então governador de Minas Gerais, Aécio Neves".

O documento petista à PF é subscrito pelos advogados do partido Pierpaolo Bottini e Danyelle Galvão. Eles usam como argumento central divulgação que o comando da PF realizou, quarta-feira, de dados do inquérito 839 - inclusive trechos do relato do jornalista Amaury Ribeiro Jr., apontado como violador do sigilo dos tucanos.

Amaury declarou à PF, dia 15, que, em 2007, "teve ciência de que um grupo de inteligência clandestino estaria investigando o governador de Minas e que tal grupo seria comandado pelo deputado Marcelo Itagiba, a mando de José Serra". A partir daí, o jornalista "teria iniciado trabalho de sistematização de dados e informações de membros do PSDB, elaborando dossiês".

O PT requereu, ainda, suspensão do sigilo sobre as investigações, "com o resguardo das informações eventualmente protegidas por sigilo legal".

Marcelo Itagiba rechaçou a vinculação de seu nome a qualquer grupo de espionagem. "Na condição de delegado, sempre investiguei crimes em inquéritos policiais. Como deputado, me cabe fazer leis e fiscalizar o Executivo, não preparar dossiês", asseverou. "Essa é uma prática do grupo incrustado dentro da campanha de Dilma Rousseff."

O parlamentar anotou que, em 10 de junho, encaminhou à PF, à Procuradoria da República e ao então presidente da Câmara, Michel Temer, pedido de investigação sobre a inteligência da campanha petista. "Me senti vítima do grupo que procurava bisbilhotar, arapongar a vida de políticos, entre eles eu", afirmou. "Estava sendo aviltado no exercício do meu mandato."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.