PTB fecha com tucano e vai brigar pela vice

Em troca do apoio a José Serra, o PTB não perdeu tempo e já entregou a fatura. O partido, presidido por Roberto Jefferson (RJ), réu do mensalão federal por corrupção e lavagem de dinheiro, quer a cadeira de vice na chapa do tucano. E até indicou o nome: Benito Gama, tesoureiro nacional do PTB. Na convenção dos trabalhistas, ao som de vuvuzelas desafinadas, Serra fez elogios a Benito, que com ele foi deputado constituinte.

, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2010 | 00h00

Após dançar o "rebolation", que empolgou Serra e arrancou boas gargalhadas da plateia, Jefferson reafirmou que a legenda "vai disputar" a vaga de vice. O tucano se disse bem impressionado com o saracoteio do petebista, mas sobre Benito não respondeu nem que sim nem que não.

Jefferson acusou "caneladas e jogo bruto do PT". Citou as cinco multas que a Justiça eleitoral aplicou ao presidente Lula, por campanha antecipada, e fez menção à Dilma Rousseff, do PT. "O presidente continua a escarnecer da Justiça, do Ministério Público. Não quero acreditar que o crime compensa, mas a mulher tá subindo."

A aliança com Serra não foi decisão fácil no PTB. O partido estava dividido. Uma ala da agremiação queria reforçar a coligação de Dilma, mas desistiu. Um dos artífices do pacto por Serra chama-se Campos Machado, líder do PTB na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Ele passou a semana nos bastidores, conduziu encontros fechados, fez telefonemas decisivos, convenceu uns, demoveu outros e mobilizou a Juventude PTB. "Vamos ter dificuldades, mas a montanha por maior que seja não impede a chegada do sol", profetizou Machado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.